Ter filhos é uma caixa de surpresas. Fiz mil planos durante a gravidez, para mim e para ela, para quase todos eles serem quebrados durante essa jornada. Eu já fui contra cama-compartilhada e hoje sou muito mais dependente dela do que a minha própria filha. Imaginava que não daria chupeta e logo vi a minha pequena com a sua. Imaginava que teria uma rotina e que isso seria fácil de conseguir, bastaria apenas disciplina. Mas não imaginava que nem todas as crianças são iguais e a melhor rotina é aquela que de fato funciona.

De repente, minha filha chegou para mostrar que eu não sabia nada sobre maternidade, amor e muito menos poderia entender sobre doação. Minha filha chegou para me ensinar a ser forte em momentos que eu fraquejaria. Ela chegou e me mostrou que o meu mundo não existe mais sem ela, seu jeito doce, suas frases lindas, seu abraço apertado, mesmo em braços tão pequenos. Chegou e me mostrou como rir de suas birras, como chora lindamente, como me deixa realmente brava quando a vejo fazendo alguma coisa que a coloque em perigo.

Hoje, ela tem me ensinado que a coisa mais importante a se fazer é brincar. Assim, ela desenvolve criatividade, matemática, inglês, português, história e todas as áreas que ela pode aprender. Com suas frases óbvias ela me ensina que são os adultos que complicam as coisas, que tudo pode ser bem mais simples. Ela também diz que dormir é perder tempo, mas adora prolongar o soninho pela manhã. Nossos filhos e suas manias. Ela é perfeccionista, gosta de tudo arrumadinho, mas faz uma bagunça sem fim no quarto de brinquedos.

Sempre que olho para a minha filha eu penso: meu Deus, como eu tenho sorte, como o Senhor tem sido generoso comigo. Olho para ela e sou grata todos os dias por ter sido abençoada com uma filha que completou meu coração de amor.

Liz é publicitária, empresária e mãe da Maria Eduarda. Ama blog, decoração, viagens, reciclagem e festas. Apaixonada pelo marido e pelo Johnny Boy, o baby de 4 patas.